Projeto Hitchcock: O Homem que Sabia Demais (1934)

15/03/2011

“Eu concedo ao público choques benéficos” Alfred Hitchcock

Crédito: Intratecal

ATENÇÃO! A resenha a seguir revela detalhes importantes do filme. Se não quiser conhecê-los, não clique no botão abaixo.

O primeiro estúdio que contratou Hitchcock, o British International Pictures (BIP), claramente não soube fazer uso do grande cineasta que tinha em mãos. Ele podia não ser um gênio (ainda), mas Hitch era um profissional que se dava muito bem filmando thrillers e criando novas técnicas visuais para melhor contar a história em questão. O seu Chantagem e Confissão prova isso. Só que o estúdio geralmente obrigou o Mestre a filmar o que não que não queria, o que gerou resultados desastrosos (que atendem pelo nome de O Mistério do Número 17 e Ricos e Estranhos).

Falei tudo isso porque a troca de estúdio fez em 1933, da BIP para a concorrente Gaumont British Pictures, permitiu que a sua carreira de cineasta pudesse avançar. Aqui ele teve mais liberdade para filmar, o que se percebe nessa nova safra de produções, muito mais satisfatórias e bastante parecidas com o que ele iria dirigir na sua fase americana. E o primeiro filme desse novo (e bom) período na carreira de Hitchcock foi O Homem Que Sabia Demais. Continue lendo »